A Carregar...
imagem

Correio do Minho: "Associação Empresarial do Minho com foco na indústria e tecnologia"

AEMinho quer ocupar o espaço deixado vago com o fim da Associação Industrial do Minho. Nova associação já se apresentou e elege os primeiros dirigentes no mês de Maio.

No dia 28 de Maio realiza-se a assembleia constituinte da Associação Empresarial do Minho (AEMinho), projecto que tem estado a ser maturado desde 2018 e que pretende agregar as principais empresas da região, nomeadamente as dos sectores industrial e tecnológico.

O empresário bracarense Ricardo Costa, o presidente da comissão instaladora da AEMinho e, seguramente, o primeiro presidente da direcção a eleger em finais de Maio, entende que a nova associação faz sentido “porque há um espaço por ocupar”, com a falência da Associação Industrial do Minho, e “objectivos estratégicos para a região” a defender, nomeadamente a reclamação de mais apoios ao tecido empresarial.

“Não temos nenhuma associação empresarial com a abrangência territorial do Minho e focada nos sectores industrial e tecnológico”, alega Ricardo Costa ao Correio do Minho.

Em comunicado, os promotores da AEMinho destacam que a nova associação, que ficará sediada nas instalações do Instituto Politécnico do Cávado e Ave, em Braga, reúne “um painel de empresários envolvidos na promoção de áreas como tecnologia (da electrónica à segurança), ambiente (da água e energia à floresta), equipamentos (metalomecânica), construção, moda (do têxtil ao calçado), turismo (da hotelaria à restauração), automóvel energia e agroalimentar”.

O facto de o sector do comércio não fazer parte do foco de preocupações da nova associação é justificado por Ricardo Costa por já estar representado por várias associações de âmbito concelhio.

Esperam os promotores da AEMinho que esta dinamize “actividades, programas, plataformas e redes que facilitem a transição energética e a transição digital, assim como promovam a participação activa em processos de internacionalização das empresas da região”.

Pretendem também “que a AEMinho seja representativa da região em termos geográficos, sectoriais e económicos” e que promova “a divulgação da informação, especialmente a de interesse para a região e para a actividade empresarial, como forma de facilitar a identificação de oportunidades e das melhores estratégias para a sua abordagem”.

A colaboração com instituições de ensino e de investigação da região, assim como a contribuição activa para a captação e fixação de talentos na região são também pilares relevantes”, acrescentam.

“Teremos um estilo nórdico de actuação”, antevê o presidente da AEMinho, considerando essencial a criação de “plataformas para a partilha de experiências e informação” entre os empresários, utilizando as ferramentas digitais. Esse ‘networking’ é entendido como mais do que a criação de grandes estruturas físicas.

01/04/2021