A Carregar...
Imagem

Jornal de Notícias: "AEMinho lamenta "propostas irrefletidas" do Governo para a comunidade empresarial"

A Associação Empresarial do Minho (AEMinho), com sede em Braga, "tem assistido com perplexidade à pressão que o Governo tem feito sobre a comunidade empresarial".


E diz que o primeiro-ministro, António Costa anda a "mandar bitaites" e faz "propostas avulsas irrefletidas, mal estruturadas e nada fundamentadas".


"Consideramos insensato, imprudente e, também por isso, desajustado da sua função e responsabilidade, que o chefe do Governo propagandeie este tipo de pacotilhas como tem feito semanalmente", diz, hoje em comunicado, o presidente do organismo, Ricardo Costa.


Na opinião do empresário, "estes episódios só podem ser entendidos como manobras comunicacionais e de marketing para desviar a atenção dos portugueses dos temas que afetam o país e com enorme impacto, como o iminente colapso do sistema nacional de saúde, a inflação galopante, a subida das taxas de juro, o problema recorrente do sistema de ensino, a flagrante incapacidade de organização e gestão das autoridades policiais para responder ao aumento de turistas nos aeroportos ou mesmo fazer esquecer os milhões de euros injetados na TAP sem que haja daí um retorno efetivo para a qualidade de vida das pessoas".


E acrescenta, sempre em tom crítico: "Num ano em que as melhores projeções do crescimento económico não passam os 5,8%, em que os funcionários da função pública foram aumentados (0,9%), o primeiro-ministro veio declarar que os salários tinham de ser aumentados em 20%, sem explicar como iriam as empresas suportar esse aumento de custos".


"Na semana passada vimos Costa a alvitrar sobre a adaptação das empresas a supostas novas exigências geracionais em relação à carga laboral. Com todo o respeito que nos merece, sentimos uma vez mais que era mais um "bitaite". Uma vez mais, não se percebeu na proposta qualquer evidência ou fundamento e, tendo em conta a conjuntura macroeconómica do país e do mundo, consideramos também ser mais uma proposta inoportuna no tempo e na forma".

A AEMinho diz, ainda, ser claro que, dentro das responsabilidades, preocupações e reflexões de um chefe de Governo têm de estar a evolução do tecido empresarial ou a distribuição da riqueza. Gostaríamos, no entanto, que, se o Governo entender estas matérias como prioritárias, as discuta primeiro, ouça os empresários e os trabalhadores, faça o 'benchmarking' que tem que fazer e depois apresente de forma ponderada propostas e tome decisões em conformidade".


A concluir, garante que a AEMinho está disponível para ser "uma parte do debate", embora não se associe "a manobras de diversão ou de marketing". "Esperamos que um Governo, em especial o seu líder, seja uma fonte de estabilização, um indutor de confiança e um garante de ponderação e credibilidade nas propostas que apresenta ao país", afirmou.


27/06/2022